sábado, 6 de outubro de 2012

Investigador denuncia António Borges e outros ex-dirigentes da Goldman Sachs


Alto quadro do PSD "supervisionou alguns dos maiores empréstimos da história" do FMI: os pacotes da Grécia e da Irlanda

 António Borges, consultor governo
Vítor Rios
07/05/2012 | 15:25 | Dinheiro Vivo 


"António Borges, dirigente da Goldman Sachs entre 2000 e 2008, foi diretor do Fundo Monetário Internacional, em 2010, funções que o levaram a supervisionar alguns dos maiores empréstimos da história da instituição: à Grécia e à Irlanda".
No livro "O Banco. Como o Goldman Sachs dirige o Mundo", o jornalista belga, Marc Roche, correspondente do Le Monde em Londres, refere que o banco norte-americano "está por detrás da atual crise financeira".
O autor estará em Portugal nos próximos dias 30 e 31 de maio para apresentar a obra.
Esta grande investigação, lançada originalmente em 2010, tem um protagonista português: António Borges.
O alto quadro do PSD já foi vice-governador do Banco de Portugal, esteve oito anos no Goldman Sachs, foi presidente do lobby mundial dos hedge funds (Hedge Fund Standards Board) e esteve um ano na direção do FMI para a Europa.
O economista saiu de forma algo precipitada do Fundo no final do ano passado.
Regressou depois aos quadros do grupo Jerónimo Martins, como administrador não-executivo. Pedro Passos Coelho, primeiro-ministro, confiou-lhe entretanto a liderança da comissão de acompanhamento das privatizações, cargo que lhe permitirá gerir de forma privilegiada a venda dos mais mais de cinco mil milhões de ativos que o Estado controla em empresas e serviços públicos.
Marc Roche defende que "o Banco está em todo o lado: a falência do banco Lehman Brothers, a crise grega, a queda do euro, a  resistência da finança e até a maré negra do golfo do México", refere a apresentação do livro.

Sem comentários:

Enviar um comentário